Julho 17, 2024
Slider

Bancários iniciam campanha de negociação salarial

Com o lema #ASuaLutaNosConecta, sindicatos de bancárias e bancários de todo o país foram às ruas, nesta terça-feira (18), para lançar a Campanha Nacional da Categoria Bancária 2024. “Nossa pauta é por emprego, por aumento real, por participação nos resultados, mas também é uma pauta pelo país, para que o Brasil tenha crédito mais barato e possa crescer, para que possa ter investimento público, investimento privado, geração de emprego e renda. Porque se não tiver emprego, se não tiver renda, se não combater a desigualdade, também não vamos manter os empregos dos bancários. Nossa luta pelo Brasil é também uma luta pelos bancários e que vai nos trazer sucesso na nossa campanha”, disse a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e coordenadora do Comando Nacional dos Bancários, Juvandia Moreira, durante ato de lançamento da Campanha Nacional categoria, momentos antes da entrega da minuta de reivindicações à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). 

Juvandia ressaltou que a minuta de reivindicações da categoria é fruto de construção coletiva, com base em uma série de encontros regionais, pelo país, e na Consulta Nacional, que escutou mais de 47 mil trabalhadoras e trabalhadores.

“O sistema financeiro está indo para uma lógica de mercado que está acabando com as agências físicas, jogando tudo para o banco digital e tem uma série de bancos que nem são bancos, que estão aí dominando o mercado e os bancos estão tentando imitar esses bancos, reduzindo postos de trabalho, precarizando as relações de trabalho, precarizando as relações sindicais e a gente vai discutir tudo isso nessa campanha”, disse a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, também coordenadora do Comando Nacional dos Bancários, Neiva Ribeiro.

Veja quais são as principais reivindicações da Campanha Nacional dos Bancários.

Redução dos juros

Em São Paulo, os bancários somaram forças com trabalhadores de diversas categorias representados pela CUT e pelas demais centrais sindicais na manifestação realizada em São Paulo, na frente da sede do Banco Central, na avenida Paulista, pela redução da taxa básica de juros (Selic). A redução da Selic é um dos eixos de reivindicação da Campanha Nacional dos Bancários 2024, aprovados durante a 26ª Conferência Nacional da categoria, no início de junho.

“Estamos aqui hoje dizendo que mantendo os juros tão altos, o Campos Neto está boicotando a economia brasileira, boicotando o crescimento econômico, boicotando o Brasil”, alertou Juvandia. “O mundo todo tem juros menores do que o Brasil. Não tem cabimento a gente manter essa política de juros, que promove o enriquecimento de 1% da população e inibe a melhoria de vida de 99% da população”, completou.

“O Banco Central age independente da sociedade, independente do Congresso Nacional, mas dependente do sistema financeiro! Pratica uma política de juros altos para favorecer um grupo de super-ricos que domina o poder financeiro e determina quanto é a taxa de juros, para ganhar ainda mais, enriquecer ainda mais com suas aplicações, com seus negócios. Mas, dessa forma, atrapalham o governo de fazer investimento público, de investir em políticas públicas para a sociedade, moradia, transporte, educação, ciência e tecnologia, e uma série de outras coisas que também fazem parte da nossa pauta de reivindicações”, explicou Neiva Ribeiro. “É muito importante que a sociedade saiba que os bancários não estão preocupados só com a questão corporativa, mas também questione esses juros altos, que contribui para o endividamento das famílias, impedem o empreendedorismo”, disse Neiva.

Fonte: Contraf-CUT